Entre tapas e beijos

Algumas relações no trabalho são curiosas. Existe muita “paixão” na relação entre duas pessoas que trabalham juntas faz anos, mas do jeito mais ordinário possível, daquele que a música do Leandro e Leonardo expressam bem. E o ódio e o desejo fazem presentes até nas discussões mais simples entre “patrão” e “empregado”

– Impossível de fazer!

– Você me conhece, sabe que este plano está perfeito, alinhado…

– Temos que conversar com mais pessoas…

– Isso é absurdo! Você acha que não pensei nos impactos!

– Não da forma correta

– Há quanto tempo você me conhece?

– 15 anos, mas isso não quer dizer…

– Isso quer dizer muita coisa, Pedro. Isso que dizer…

– Isso quer dizer que eu sei que precisa rever isso! Ou você não entende uma ordem?

– Está colocando seu cargo agora para impedir o que deve ser feito?

– Porra, você não me deixa escolha…

– Mas eu fiz exatamente aquilo que foi acordado na merda da reunião, você estava lá…

(2 horas depois)

– Não sei o que poderia estar errado neste ponto, Pedro. Revisamos aqui e ainda acho que está correto.

– Pode ser que você tenha razão.

– Você discuti demais.

– E você se impõe muito em coisas desnecessárias.

– Tudo bem vai. Eu vou chamar o serviço de quarto e pagar a conta deste Cabernet Sauvignon.

– Enquanto isso eu ligo para meu marido…

Deixe um comentário

Arquivado em Reuniões

Imaginação

Numa grande empresa, onde diversas pessoas trabalham juntas, é difícil crer que o uso da imaginação seja maior para histórias fora do trabalho do que dentro do ambiente…

– Estão contratando gente para substituir os nossos cargos, José…

– Não fala besteira! Só eu sei fazer isto aqui, e fora que estou esperando o Luis sair para a diretoria e eu assumo o lugar dele…

(outra conversa)

– Mas será que o Luís conseguiu esta promoção por merecimento?

– Lógico que sim! O cara sempre foi um dos melhores e a diretoria é tudo que ele merece, mesmo tendo um corte no time do Carlos…

(durante o café)

– Carlos saindo da empresa é um absurdo! O Luís não tem a mínima condição de suceder ele! E como ainda ficam segurando o José e aquele cargo de enfeite…

– Nossa, eu não sei, mas a Andréia está numa sinuca então…

– Porque ela estaria em maus lençóis?

– Quem indicou o Luís?…

(conversa entre Andréia e Luís)

– Amor, será que eles devem saber que eu estou grávida?

Deixe um comentário

Arquivado em Chefes, No Café, Reuniões

Férias

Você está pronto para tirar alguns dias de folga. Depois de muito trabalho, finalmente você conseguirá alguns dias para um merecido descanso. Descanso?

– Antes de você entrar de Férias, tem como você terminar aquele procedimento de treinamento para novos usuários do sistema.

– Sim, claro.

(10 minutos depois…)

– Aquele relatório mensal de produtividade está com dados incorretos. Por favor, corrija e ensine alguém para fazer durante sua ausência.

– Sem problemas.

(20 minutos depois…)

– Quando você tiver um tempo, tem como organizar nossas pastas no servidor e também no nosso armário?

– Lógico!

(E-mail perdido em sua caixa de mensagem pessoal durante as férias…)

– Roberto, o procedimento de treinamento foi alterado e agora estou perdido entre os passos 2 e 3. Tem como você me ajudar?

(SMS enviado durante almoço em sua viagem a praia…)

– Relatório está com “pau”. E qual é a tabela que eu uso para conversão dos valores na ultima tabulação?

(Telefonema as 23 horas de uma sexta-feira, durante encontro com a namorada…)

– Roberto, eu não acho os documentos no nosso servidor! E a cópia impressa no nosso armário, cadê? Acho que voce vai ter que ir no escritório ver isso…

Férias…

Deixe um comentário

Arquivado em Férias

É o chefe, né…

– Você entregou o relatório da reunião das 3 horas?

– Está pronto?

– E quem vai produzir a apresentação.

– Eu falei com o Roberto e ele vai enviar para o senhor.

– Ótimo. Além disso, lembre-se de colocar um novo slide para as mudanças propostas pelo cliente.

– E gostaria de detalhar algum tópico?

– Não, o relatório terá todos os dados.

– Enquanto ao almoço?

– O que?

– O que você comerá no almoço?

– Olha, eu iria comer um macarrão…

– Não faça isso, coma algo mais leve. Um filé de frango com brócolis seria melhor.

– Mas por que?

– Na hora da reunião, você vai se sentir mais solto.

– Bom, isso você tem razão.

– E cuidado com este seu jeito de falar com sotaque mineiro.

– Cuidado?

– Pode ser que sai um “bão”. Só para você ficar atento.

– Esta bem. Mais alguma recomendação?

– Nada mais, só preciso que você revise todo o conteúdo antes do seu almoço e que não demore muito…

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Feiras e Férias

Toda feira de negócios é assim: Os funcionários ganham a oportunidade de ir para o evento com todas as despesas pagas, interessa por um ou dois estandes demonstrando atividades ou produtos que não tem muito a ver com seu trabalho, pega todos os brindes possíveis, comenta sobre as lindas mulheres que ficam fazendo propaganda e vão embora felizes, pois foi mais um dia perdido de trabalho. E se não fosse assim?

– Carlos, você irá representar nossa empresa numa feira internacional, a FACONECON, ok?

– Pode deixar chefe, irei com todo prazer.

– Ótimo, sabia que poderia contar com você. E sobre esta feira precisarei que você faça um relatório sobre as 5 ferramentas de automação industrial mais utilizadas para o nosso negócios , as 10 melhores empresas de atuação na área operacional para agregar apoio técnico e ainda preciso de dados das nossas concorrentes, sendo que a lista precisa ser revisada e precisa ter os seguintes tópicos (e ele coloca sobre a mesa um fichário com aproximadamente 100 páginas).

– E qual seria a data de entrega de tudo isso?

– Eu gostaria no dia seguinte após o término do evento, uma vez que isso vai direto para o conselho administrativo da empresa.

– Chefe?

– Sim?

– Lembrei que minhas férias estão vencendo no mesmo período deste evento. Acho que vou tirar elas antes que algo acontece, não é melhor?

Claro que este exemplo é um dos possíveis entre vários cenários. Mas com certeza este não é o pior:

– Carlos?

– Pode falar, chefe…

– Acho que suas férias serão aprovadas, só tem um porém…

– Qual senhor?

– Como nossa empresa está expandido mercado, você chefiará nosso estande na próxima F.E.I.R.A, e será pedido o mesmo conteúdo da outra feira. Além disso, eu já olhei seu calendário e não conciliará com nenhum outro evento. E você terá tirado férias, estará pronto para o desafio.

Nesta hora, Carlos pensa em matar a avó dele…

Deixe um comentário

Arquivado em Férias, Reuniões

Estacione aqui

Estacionamento é um problema crônico da sociedade moderna. Mais ainda nas grandes empresas em centros urbanos. Este conglomerados ajudaram diversas pessoas a tomarem uma importante decisão: destruir suas casas ao lado dos sultuosos prédios com apenas um estacionamento subterrâneo com pouco mais de 20 vagas, para ganhar um troco com seus Civic e i30 que não podem tomar chuva e os Pálios e Celtas que não podem ficar nas ruas…

– Você não acha que eles deveriam comprar aquelas casas do outro lado da rua para fazer vagas de estacionamento para gente.

– Não! Acabei de contratar a empresa de demolição e outra de pavimentação. E vendi o carro…

E quando vem o comunicado falando que a empresa está expandido operações? Qual é a reação?

– Parece que com o novo contrato eles vão aumentar o numero de vagas, mas para isso terão que construir uma nova edificação…

– Você está querendo dizer que não vai mais rachar a gasolina por que não teremos lugar para estacionar?

Além desta dificuldade natural, quando você acha algum espaço, aquela vaga que ninguém preenche e você passa todo dia, descobre que sua função não condiz com aqueles poucos metros quadrados…

– Mas esta vaga nunca está ocupada…

– Sim, pois o CEO está discutindo com o chefe do RH o orçamento do seu projeto.

Parar dentro da empresa é fácil. Estacionar que é difícil.

Deixe um comentário

Arquivado em Estacionamento

A festa da firma

Eu adoraria ser FreeLancer no final do ano. Afinal de contas, eu estaria livre ir do compromisso de ter que ir para a festa da firma.

“Festa da firma?” Isso deve ser coisa de paulista mesmo, que deve adorar pronunciar “Firrrrrrrma”. Se dependesse dos cariocas, as festas não seriam da “firma”. E não é só a questão regional que iria contar, mas também a questão temporal. Talvez porque a palavra “firma” relembre as velhas e boas linhas de montagem, com os seus valentes “peões” mostrando todo seu “expertise” para apertar uma porca ou alinhar uma válvula. Hoje dia, por tudo isso, as festas da firma seria compostas pelos cinqüentões chefes, que a 20 anos atrás eram os homens que Ford adoravam e que talvez não saibam quem seja Drucker.

Tirando a discussão ora etimológica, ora temporal, no fim do ano sempre existe o bochicho sobre como será a festa da firma. Em alguns locais, a discussão é se o budget proposto será o suficiente para contratar o NX Zero ou o Jota Quest. Em outros, se a chefia iria liberar a festa depois de tanta pressão durante o ano todo para aumento e melhoria de salários. E se toda chefia analise o clima dentro da empresa para dar uma festa? Provavelmente as áreas de projeto e desenvolvimento iriam ficar em lados opostos, os publicitários teriam que ter um espaço só para o ego deles, a área de TI ficaria de fora por que nada funcionou durante o ano e por ai vai. Ainda bem que isso não acontece.

O que por ventura ocorre são festas departamentais, para diminuir o perigo. Afinal de contas, você está entre amigos e não terá problema em dançar um pouco além da conta. Mas pode ser que aquela funcionária mais linda do setor tenha levado um amigo de fora para fazer companhia e ele leva seu smartphone no bolso. Logo, na segunda feira após a festa, o setor inteiro descobre o vídeo intitulado “Souza dançando Macarena” após este ser postado em algum blog de “comida árabe” na Internet.

Mas na maioria das vezes a festa é da empresa inteira. “Cuidado, Bino!” alguns irão dizer. O perigo mora ai. Você estará no mesmo ambiente em que muita gente que esqueceu o bom senso em caso. Você poderia encontrar no meio da festa a Claudinha, aquela estagiará que virou coordenadora justamente após sair com o gerente na festa do ano passado. E como bom profissional que encontra este tipo de pessoa após a décima rodada de Original, você olha nos olhos dela e disse educadamente:

“Sua puta! Só dando para o chefe para chegar aonde chegou…”

Existe a lenda dos cartões azuis no dia seguinte as festas, mas creio que isso é só lenda. Se bem que a partir do momento que entramos no quesito bebida, a conversa fica tensa. Fica tensa no primeiro momento quando os funcionários descobrem que a cerveja é da marca “Zunda” e fazem uma pequena greve na terça feira para impedir algo parecido no próximo ano. O contra ponto é que quando a empresa faz um agrado aos seus funcionários e serve vinho Cabo de Hornos sendo “degustado” diretamente no gargalo. Mas isso faz mais estrago para o líder da equipe responsável pela festa do que propriamente para alguém da diretoria da companhia. Este mesmo responsável pela organização que morre ao ver seu Foie Gras feito com todo carinho dentro de um pão francês acompanhado da seguinte frase: “Onde está a coxinha?”

E a bebida parece não ter fim. E o que todo mundo espera na festa começa acontecer. Chega o momento do Happy Hour. A secretária da empresa começa dançar com o moço da fotocópia, o diretor de marketing começa a dar em cima da mulher do diretor de assuntos estratégicos e o presidente da empresa leva um pisão de um estágiario, após o discurso que o próximo ano será o melhor de toda a história da empresa. Para completar a “putaria”, o troféu do melhor funcionário do ano é utilizado como “Garrafa” na famosa dancinha…

E assim acaba este programa de índio para alguns, após o alerta “Vexame Mode On” ativado por alguém, que voce com certeza não lembrará quem foi. Mas depois disso tudo, eu fico pensando por que eu sou FreeLancer e não participo destas festas??? Acho que eu nunca vou conhecer o lado negro da força…

Deixe um comentário

Arquivado em Festas, Reuniões